Sem categoriaQuais são os contratos para startups?: contratos de pré constituição

30 de julho de 2020by Ivan Coelho Dias0
https://diasecian.adv.br/wp-content/uploads/2020/07/3.1.-Contratos-startups-contratos-de-pré-constituição-site.png

Quais são os contratos para startups?: contratos de pré constituição, por Ivan Coelho Dias*

 

Os novos empreendedores pensam que há uma complexidade muito grande em relação a formalidades e contratos e preferem focar a energia à ideia inicial da sua startup. Acabam deixando de lado a parte jurídica.

Contudo, ocorre que muitas vezes a falta de um documento escrito pode causar problemas futuros aos sócios e à própria startup. Nesses contratos, há uma previsão da ideia da startup, das funções, obrigações, direitos e responsabilidades dos sócios, o sigilo, não concorrência, a propriedade intelectual, dentre outros.

E, pensando nisso, nesse “Drops”, serão trazidos os contratos de pré-constituição das startups, que podem ser: a) memorando de entendimentos de pré-constituição; b) acordo de sigilo e não concorrência; c) contrato de autoria, coautoria e/ou cotitularidade sobre propriedade intelectual e marca; d) contrato de desenvolvimento de software.

O memorando de entendimentos é um contrato preliminar que tem por objetivo trazer segurança aos futuros sócios, estabelecendo as informações sobre a atividade empresarial (ideia da startup), as funções, obrigações, direitos e responsabilidades de cada membro, nome, marca etc. Poderia se resumir em como resguardar direitos e apaziguar no presente e futuro as relações entre os fundadores.

O acordo de sigilo e não competição entre fundadores – se não for elaborado conjuntamente com o memorando – será utilizado entre os criadores da startup para que cada um mantenha sigilo sobre a ideia empresarial (evitar o repasse indevido a terceiros sem consentimento) e para que, caso algum fundador deseje sair, não leve a ideia consigo (se ele não foi o único idealizador) para utilização própria ou para um possível concorrente.

O contrato relacionado com a autoria, coautoria e/ou cotitularidade sobre propriedade intelectual e marca tem por finalidade determinar quem dos fundadores participa da ideia, do desenvolvimento do produto ou serviço e/ou da elaboração da marca. Há a possibilidade de que a criação seja feita por um ou mais sócios, mas, em momento posterior, convidem novo sócio a integrar, mas esse não faz parte da ideia original e os fundadores preferem manter a criação somente em seus domínios.

O contrato de desenvolvimento de software é utilizado quando os fundadores da startup não possuem o know-how do desenvolvimento específico e necessitam buscar essa expertise numa terceira pessoa. Esse contrato tem fundamental importância, pois, em regra, quem desenvolve detém os direitos de propriedade. E o contrato de desenvolvimento de software deverá conter, além da prestação de serviço, a cessão (ou transferência) dos direitos intelectuais para os criadores da startup, com o objetivo de manter a ideia e marca em domínio dos fundadores.

Brevemente, esses são alguns contratos que os empreendedores em startups poderão fazer uso para garantir a estabilidade jurídica inicial e futura, evitando atritos inesperados pela falta de estipulação contratual.

A Dias e Cian Advogados possui expertise no assessoramento para a formalização de pequenas a grandes empresas, com especialidade para startups. Contate-nos e tire suas dúvidas quanto à formalização de sua empresa e especialmente no assessoramento para a formalização de contratos.

 

* Ivan Coelho Dias é advogado e sócio do escritório Dias e Cian Advogados, especialista em Direito para startups.

Ivan Coelho Dias

Advogado. Sócio da Dias e Cian Advogados

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Onde encontrar a Dias e Cian Advogados?

R. Néo Alves Martins, 3176, Sala 63-B, Zona 03, Maringá, PR

+55 44 99177-7788

Desenvolvido por Enderson Menezes

WhatsApp chat